• Ao comprar este item você receberá 220 pontos!

Clinica dos fracassos da fantasia

Mais Imagens

Clinica dos fracassos da fantasia
R$55,00

Disponível: Em estoque

Descrição

Detalhes

Índice

PRÓLOGO À PRIMEIRA EDIÇÃO, 11

PRÓLOGO À SEGUNDA EDIÇÃO, 15

Capítulo I

O gozo fálico e a significação fálica, 19

Capítulo II

Notas sobre o Potlatch, 45

Capítulo III

Apontamentos sobre Hamlet, 65

Capítulo IV

O relato dos sonhos, 83

Capítulo V

Um unário. Um unificante, 93

Capítulo VI

Somos semelhantes, somos únicos, 107

Capítulo VII

O que significa comer?, 121

Capítulo VIII

O real do Imaginário. Um caso de fobia a galinhas, 143

Capítulo IX

Notas sobre "O despertar da primavera", 165

Capítulo X

Segundo despertar e inibição

Capítulo XI

A feminilidade, 203

Capítulo XII

Vinte anos depois, 215

Capítulo XIII

1976-1996: uma história que não se quis. Reflexões sobre o totalitarismo, 231

Capítulo XIV

De que limites se trata na clínica dos estados limites?, 243

Sumário

Summary

Habitualmente uma mãe good enough, apenas boa, introduz o campo da linguagem junto com uma intrincação pulsional.

Dada essa intrincação, o gozo de uma pulsão está limitado pelo gozo das outras, não se faz de uma pulsão um terreno de gozo, como quem diz um terreno de caça, do corpo do filho.

Não é fácil, para uma mulher, tornar-se A mãe. Não lhe seria possível o enorme trabalho e a gigantesca responsabilidade de criar uma criança se não fosse porque esta lhe proporciona a ocasião de estancar a ferida de sua falta fálica.Pênis: criança. Essa equação simbólica, descoberta deslumbrante de Freud, fundamenta o habitual desejo feminino de maternidade. É por essa mesma equação que não é simples para uma mãe resistir à queda no fácil tobogã do exercício, sobre seu rebento, de um permanente gozo fálico.

Clinicamente, esse gozo se vetorializa pela via da acentuação do gozo de uma pulsão que, desintrincada do resto, faz do corpo da criança uma espécie de terreno reservado a seu exclusivo arbítrio.

Os conselhos de criação de pouco servem. É só a partir do saber inconsciente que uma mulher tornada mãe encontrará a lei que lhe impede esse exercício nefasto.

Quando isso não acontece, em vez de primar numa criança a significação fálica (a que afirma que uma criança não significa a falta da mãe, faz ver à mãe o real do real), quando a mãe goza falicamente da criança de forma permanente, a criança será garante da obturação do furo real da mãe. Para o filho, o embate do gozo fálico da mãe, que em geral toma a forma de uma demanda pulsional desintrincada, é vivido como gozo do Outro.

Sobre o Autor

Sobre o Autor

Silvia Amigo

É psicanalista. Exerce sua prática na cidade de Buenos Aires. Pertence desde 1979 à Escuela Freudiana da Buenos Aires. É A.M.E. dessa Instituição desde 1989. É colaboradora habitual dos Cuadernos Sigmund Freud. Já publicou diversos livros e é autora juntamente com outros psicanalistas da obra Os discursos e a cura publicada pela Companhia de Freud.

Informação Adicional

Informação Adicional

editora Cia de Freud
Categoria P.Geral
Autor SILVIA AMIGO
ISBN Não
ISBN-13 9788577240241
Edição 1
Ano de Lançamento 2008
Número de Páginas 273
Indisponível no fornecedor Não
Calcule o Frete

Calcule prazo de entrega e frete:

 

 

20%

30%